ISSN 1516-8530
ISSN 2318-0404

Revista Brasileira de Psicoteratia

Submissão Online Revisar Artigo

Rev. bras. psicoter. 2017; 19(1):43-54



Artigo Original

A utilização da psicoeducação no tratamento de pacientes com transtorno bipolar: uma revisão sistemática

The use of psychoeducation in the treatment of patients with bipolar disorder: a systematic review

Maria Emília Pereira Pimentel1; Gustavo Marcelino Siquara2

Resumo

O transtorno bipolar é caracterizado pela oscilação dos estados de humor maníacos e depressivos, que promovem alterações a níveis psicológicos e sociais importantes. Seu tratamento é feito principalmente à base de medicamentos que visam estabilizar o humor, mas apresentam limitações na adesão ao tratamento. Assim sendo, as abordagens psicossociais atuam principalmente na melhora do funcionamento social e ocupacional dos sujeitos. Dessa forma, a psicoeducação pode promover aos pacientes informações sobre o transtorno e com o objetivo de torná-lo colaborador ativo no tratamento, tornando o processo terapêutico mais efetivo.
OBJETIVO: Analisar a utilização da psicoeducação no tratamento de pacientes com transtorno bipolar.
MÉTODO: Foi realizada uma revisão sistemática em quatro bases de dados. Os artigos foram avaliados, de forma independente, por dois pesquisadores, obedecendo aos critérios de inclusão e exclusão. As combinações das palavras-chave utilizadas na busca foram: "psychoeducation OR psychoeducative OR psychoeducational AND bipolar disorder" e "psicoeducação OR psicoeducativo OR psicoeducacional AND transtorno bipolar".
RESULTADOS: Encontraram-se estudos que se baseiam em dois modelos de psicoeducação. Foram possíveis analisar a quantidade de sessões, o tempo de duração de cada uma delas, o tema abordado, e a quantidade de pessoas por grupo.
CONCLUSÃO: A partir da análise dos modelos de psicoeducação, existe um predomínio de apenas um modelo que serve de base para a maioria dos estudos encontrados. Com isso se identifica a necessidade de se desenvolverem novos modelos de psicoeducação dentro do transtorno bipolar.

Descritores: Transtorno bipolar. Ajustamento emocional. Educação em saúde.

Abstract

Bipolar disorder is characterized by the oscillation of manic and depressive mood states that promote changes to important psychological and social levels. Treatment is mainly made based drugs that seek to stabilize the mood, but have limitations in treatment adherence. Therefore, psychosocial approaches work mainly in the improvement of social and occupational functioning of the subjects. Thus, psychoeducation can promote the patients information about the disorder and in order to make it active collaborator in the treatment, making the most effective therapeutic process.
OBJECTIVE: To analyze the use of psychoeducation in the treatment of patients with bipolar disorder.
METHOD: A systematic review was performed in 4 database. The articles were assessed independently by two researchers, according to the inclusion and exclusion criteria. The combinations of keywords used in the search were: "psychoeducation OR psychoeducative OR psychoeducational bipolar disorder AND" and "OR psychoeducation psychoeducational OR psychoeducational AND bipolar disorder."
RESULTS: We found studies that are based on two models of psychoeducation. Which we were able to analyze the quantity of sessions, duration of each, the topic discussed and the number of people per group.
CONCLUSION: From the analysis of psychoeducation models there is a predominance of only one model that provides the basis for most of the studies found. Thus identifies the need to develop new types of psychoeducation within the bipolar disorder.

Keywords: Bipolar disorder. Emotional adjustment. Health education.

 

 

INTRODUÇÃO

O humor é um traço afetivo que permeia as experiências dos indivíduos, como uma lente de fundo que pode modificar as vivências em sua natureza e seus sentidos1. Para que os seres humanos conseguissem interagir de forma mais eficaz com as circunstâncias do meio, já que viviam em intensa instabilidade ambiental, o humor foi importante para a adaptação. Desta forma, a oscilações do humor a partir de influência de fatores internos e externos, como os neurobiológicos, sociais e ambientais, tornaram o humor um sistema eficiente de socialização de sobrevivência. O Transtorno Bipolar (TB) é caracterizado por um quadro de humor que não responde às situações ambientais de maneira adequada. Com isso, influencia diretamente nas relações, formas de enfrentar os problemas e percepção do mundo2.

O TB é caracterizado pela oscilação do humor depressivo e maníaco/hipomaníaco, de maneira grave e prevalente na vida dos indivíduos3. Esse transtorno é considerado complexo do ponto de vista fisiopatológico. O Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais, 5ª edição (DSM-5) considera que a presença de um ou mais episódios de mania ou hipomania permite efetuar o diagnóstico de TB. Segundo a nova divisão do DSM-5, existem 3 tipos de classificações para os TBs, sendo os do tipo I, II e o ciclotímico4. Estudos recentes sobre a epidemiologia estimam que cerca de 1 a 3% da população mundial apresenta o transtorno5.

No funcionamento psicossocial, os prejuízos com a desregulação do humor podem ser apresentados através de problemas de sono, maior irritabilidade, gastos financeiros excessivos, desgaste nas relações interpessoais, psicossociais e diminuição da qualidade de vida6. Outro estudo evidenciou perdas afetivas e laborais associadas aos efeitos colaterais das medicações e da sintomatologia das crises vividas pelos pacientes7.

O curso do TB é complexo e por isso são necessárias intervenções terapêuticas farmacológicas e psicossociais. Os medicamentos visam diminuir as alterações comportamentais causadas pela alteração do humor, controlar os sintomas agudos e prevenir a ocorrência de novos episódios8. Outro desafio para o sucesso no tratamento está na adesão pelos pacientes. A baixa adesão resulta em consequências clínicas, como o aumento de recaídas e recorrências, além do aumento de internações e das tentativas de suicídio9.

O tratamento farmacológico, quando isolado, não sustenta o tratamento do TB, visto que a adesão medicamentosa é estimada em cerca de apenas 50% dos pacientes. A baixa adesão terapêutica e as dimensões psicossociais precisam ser melhor estudadas e necessitam cuidados alternativos e eficazes10,11. Desse modo, Machado-Vieira et al.12 evidenciam razões para o uso auxiliar das abordagens psicossociais no tratamento do TB. Dentre os motivos estão a promoção da autonomia, que auxilia a criar estratégias para lidar com conflitos e eventos estressores, aumenta a adesão medicamentosa, mudanças no estilo de vida e facilita a identificação de sintomas iniciais. Sendo assim, são fundamentais outras terapêuticas associadas à farmacológica, especialmente as abordagens psicossociais, que permitem o cuidado ao sofrimento psíquico do sujeito e a PE sobre sua condição13.

A PE é uma das abordagens psicossociais que tem como principal objetivo fornecer informações teóricas e práticas aos pacientes e/ou aos familiares sobre a condição de saúde. Na intervenção com pacientes com TB, as informações, em geral, giram em torno do curso do transtorno e do seu tratamento. Um dos objetivos dessa técnica é ajudar o paciente a conviver de forma menos conflituosa e disfuncional com sua doença14. Segundo Justo e Calil13, apesar de o termo sugerir um fluxo unidirecional dos ensinamentos, os profissionais devem fazer do paciente um colaborador ativo do processo de tratamento, de forma que possam expor suas dificuldades e os aspectos mais específicos do convívio com o transtorno, como a relação com a rede de apoio, com os medicamentos, entre outros.

A abordagem psicoeducacional se desenvolveu na década de 70, em oposição aos tratamentos comuns na época, tais como os de base psicanalítica e os confrontacionais. Aliada ao modelo biopsicossocial, a intenção é ser uma terapêutica alternativa, mais educativa e de suporte, que atue em conjunto com os psicofármacos, evitando internamentos psiquiátricos e reinserindo o sujeito na sociedade15.

Segundo Bäuml et al.16, o termo PE foi empregado para designar uma abordagem terapêutica comportamental que tem como objetivo discutir junto com os pacientes e familiares sobre o transtorno, treinar habilidades de comunicação, autoafirmação e a resolução de problemas.

A PE começou com o tratamento de pacientes com esquizofrenia e também se mostrou eficaz no tratamento com outros transtornos mentais, como o TB15. Os resultados na utilização da PE para o TB têm sugerido eficácia na prevenção de recaídas, principalmente das fases maníacas/hipomaníacas nos modelos em grupo17. No contexto de pacientes com TB, Andrade15 sugere três indicações para o uso da PE: após o diagnóstico em situações de não adesão terapêutica, alta hospitalar ou quando se percebe a presença de crenças disfuncionais. Já com os familiares, a PE pode ser usada quando as relações familiares interferirem no tratamento, assim como quando a expressividade emocional for alta. A expressividade emocional é definida por comportamentos disfuncionais dos familiares com o paciente, tais como a crítica, hostilidade e superproteção14. Desta forma, quanto maior a expressividade emocional, maior a necessidade de intervenção com a família. Assim como na PE para o paciente, a PE focada na família tem alta eficácia na diminuição das taxas de recaída e apresenta melhora nos sintomas depressivos18.

Um dos problemas que motivaram o presente estudo foi a importância das intervenções psicossociais e como são utilizados os protocolos de PE para as pessoas com TB. A hipótese levantada no estudo é que existem na literatura diferentes modelos de protocolos de intervenção em PE validados e padronizados para pacientes com TB.

O objetivo do estudo é analisar os diferentes protocolos de PE utilizados no tratamento de pacientes com TB. Os objetivos específicos são avaliar a validade dos modelos de PE para TB; identificar os pontos em comuns e as diferenças entre os modelos; analisar a utilização desses protocolos com os pacientes com TB.


MÉTODO

Este é um estudo de revisão sistemática de trabalhos científicos.

Bases de dados e estratégia de busca

Através da busca bibliográfica utilizando as seguintes bases de dados: Cochrane, Lilacs, Pubmed e Scielo. Como estratégia de busca utilizaram-se os descritores: Psicoeducação, Psicoeducacional, Psicoeducativo e Transtorno Bipolar. Foram realizadas as combinações: COCHRANE (psychoeducation OR psychoeducative OR psychoeducational AND bipolar disorder); LILACS (psicoeducação OR psicoeducativo OR psicoeducacional AND transtorno bipolar); PUBMED (psychoeducation OR psychoeducative OR psychoeducational AND bipolar disorder) e SCIELO (psicoeducação OR psicoeducativo OR psicoeducacional AND transtorno bipolar).

Método de seleção dos artigos

Os artigos identificados pela estratégia de busca foram avaliados, de forma independente, por dois pesquisadores, obedecendo aos critérios de inclusão: texto na íntegra, estudos do tipo ensaio clínico, que usaram como intervenção a psicoeducação, população-alvo (adulto com diagnóstico de TB), idioma sem delimitação e tempo sem delimitação. Foram considerados critérios de exclusão artigos que usassem a PE com familiares de pacientes com TB, sujeitos participantes com comorbidades psiquiátricas, sujeitos que não estivessem eutímicos ou em remissão, ou pesquisas com outros grupos de transtornos. Os critérios de inclusão e exclusão foram utilizados para que se alcançassem apenas os protocolos de PE com TB em adultos. Para isso foram utilizados apenas ensaios clínicos que tenham utilizado os protocolos. Estudos que apresentassem a PE com outros transtornos mentais foram retirados, uma vez que o estudo foca apenas em pessoas com TB.

A revisão foi realizada em fevereiro de 2016.

Procedimentos de análise dos dados

Os artigos originais identificados na busca foram apresentados na tabela de resultados de acordo com: título, autor, revista, número de participantes total no estudo e forma de utilização. As três primeiras são colunas que têm por finalidade identificar os estudos. A última coluna traz detalhes sobre os estudos, como, por exemplo, o número de pessoas em grupos que participaram da intervenção de PE, número de sessões, tempo para cada sessão e informações sobre o programa de PE e o modelo teórico em que o estudo se baseou.

Os artigos incluíram as características especificadas pelo PICR:

População = Pacientes adultos com diagnóstico de transtorno bipolar

Intervenção = Uso de psicoeducação no tratamento

Comparação = Sem comparação

Resultado = Utilização da psicoeducação no tratamento do Transtorno Bipolar


RESULTADOS

A partir da estratégia de busca definida, foram encontrados 648 artigos com as palavras-chave "transtorno bipolar", "psicoeducação", "psicoeducativo" e "psicoeducacional". Após a inserção dos filtros de busca (ensaio clínico e texto completo), 227 artigos foram selecionados. Desses, 79 foram selecionados após a inserção de demais critérios de inclusão (intervenção com psicoeducação e população de adultos com diagnóstico de TB).

Os critérios de exclusão (artigos que usassem a PE com familiares de pacientes com TB, sujeitos participantes com comorbidades psiquiátricas, sujeitos que não estivessem eutímicos ou em remissão, ou pesquisas com outros grupos de transtornos) foram aplicados em seguida, através da leitura dos resumos dos artigos. Esses critérios foram aplicados para poder alcançar os objetivos do estudo. Com isso totalizou-se 4 artigos que contemplassem o objetivo do presente trabalho.

Para o presente estudo foram encontrados artigos apenas na língua inglesa e estes variaram quanto ao ano entre 2013 a 2014. O total de artigos incluídos e excluídos está demonstrado na Figura 1. Foi realizada uma descrição individual dos 4 estudos, seguindo a ordem cronológica de publicação conforme apresentado na Figura 2.


Figura 1.


Figura 2.



No primeiro dos quatro estudos encontrados, Torrent et al.19 compararam a eficácia da Remediação Funcional com a PE e tratamento usual. O grupo de PE apresentou 21 sessões de 90 minutos semanais e contou com 82 participantes no total. A intervenção teve como objetivo prevenir as recorrências de mudanças de humor, baseada em quatro eixos do Manual de Psicoeducação para Transtorno Bipolar20: consciência do transtorno, adesão ao tratamento, identificação precoce dos sintomas e regularização do estilo de vida.

No segundo estudo analisado sobre o tema, Çuhadar e Çam21 tiveram o objetivo de avaliar a efetividade da PE na redução do estigma internalizado em pacientes com TB. Foram realizadas 7 sessões de PE com 47 participantes, divididos em cinco grupos. Cada sessão durou 90 minutos e os temas envolviam questões do TB e do estigma internalizado.

No terceiro estudo, Solé et al.22 comparam a eficácia da Remediação Funcional para pessoas com TB tipo II com a PE e o tratamento usual. Utilizaram 19 pessoas na intervenção com PE com base no modelo do Manual de Psicoeducação para Transtorno Bipolar20. Nesse estudo não foram especificados o tempo de duração nem os temas trabalhados em cada uma das 21 sessões realizadas semanalmente.

O último estudo encontrado foi o de Lahera et al.23, o qual teve a finalidade de comparar o Mindfulness baseado na Terapia Cognitivo-Comportamental com a PE. Participaram da intervenção de PE 70 pessoas divididas em grupos de 10-15 pessoas, em 8 sessões semanais com duração de 90 minutos. Esse estudo incorporou tarefas de casa aos participantes. Assim como no estudo de Torrent et al.19 e Solé et al.22, a intervenção foi baseada nos quatro eixos do Manual de Psicoeducação para Transtorno Bipolar20. Por fim, nos quatro estudos todos os participantes estavam sendo medicados e em fase de humor eutímica.


DISCUSSÃO

Os estudos analisados apresentam semelhanças nas formas de utilização da PE no tratamento de pacientes com TB. Todos os estudos encontrados utilizaram o modelo em grupo, com exposição de temas em cada sessão. Muitas das semelhanças se devem ao fato de que três dos quatro estudos estão baseados no modelo de PE desenvolvido por Colom e Vieta24. Por conta da larga utilização nos estudos encontrados do modelo de Colom e Vieta, são apresentados abaixo de maneira resumida os principais eixos trabalhados na PE com paciente com TB. A descrição completa do modelo desses autores está melhor descrita no livro Manual de Psicoeducação para Transtorno Bipolar (MPTB), no qual podem ser encontrados maiores detalhes sobre o programa de PE24. Vieta e Colom25 apresentam as principais instruções para a utilização da PE de pacientes com TB. Dessa forma, o que os artigos originais encontrados na revisão atual trazem como quatro eixos propostos para o trabalho psicoeducacional são: consciência do transtorno, adesão ao tratamento, identificação precoce dos sintomas e regularização do estilo de vida. Existem outros eixos no MPTB, que Vieta e Colom25 apresentam nesse estudo, além dos quatro anteriores: a evitação do uso de substâncias e sintomas do transtorno.

Para conceitualizar os eixos, Vieta e Colom25 trazem que a conscientização do transtorno deve ser trabalhada no início do programa, uma vez que muitos pacientes têm dificuldades em aceitar o transtorno e podem se envolver no processo de negação que pode afetar a aderência ao tratamento. Dessa forma, sugerem que esse eixo seja o primeiro a ser trabalhado, pois é menos estruturado e pode ajudar os pacientes a enfrentar o estigma, a culpa, melhorando a adesão ao tratamento.

O segundo eixo passou a ser chamado de "Adesão e opções medicamentosas", no qual os pacientes são acompanhados nas opções de categorias de medicamentos, levando em conta seus efeitos colaterais e os principais sintomas da pessoa. Nesse eixo são discutidos com os participantes os mitos e as impressões que eles têm sobre os remédios, para que sejam esclarecidas situações, como, por exemplo, a crença de que o paciente não vai precisar usar a medicação depois que estiver com humor eutímico25.

O terceiro eixo aborda questões relacionadas à detecção precoce de sintomas prodrômicos. Nesse momento os pacientes são ensinados a produzir duas listas, as quais apresentarão comportamentos dos sintomas que se assemelham aos de hipomania/mania e os de depressão. Os pacientes revisam as listas diariamente e, quando os três ou mais sintomas se tornam presentes, entram em contato com profissionais25.

No quarto eixo, são discutidas questões relacionadas à regularização do estilo de vida associadas à rotina desses pacientes, visto que realizando atividades físicas os episódios depressivos tendem a diminuir25,26.

Os dois últimos eixos referidos no estudo, sintomas e evitação do uso de substâncias, tratam sobre as manifestações do transtorno, tanto as que aparecem no tipo I e II como nos tipos ciclotimia, mistos e com características psicóticas, além de tratarem sobre o uso de substâncias, em razão de o uso estar relacionado com a baixa adesão terapêutica e um pior prognóstico27.

Ainda para Vieta e Colom25, os principais desafios ao se desenvolverem programas de PE envolvem: profissionais, o grupo de pacientes, o caráter de grupo fechado, a quantidade de sessões e o tempo total para cada sessão. Os terapeutas podem ser quaisquer profissionais da saúde mental que tenha experiência no tratamento de pessoas com TB, na condução de grupos e no treinamento de habilidades sociais. Os autores salientam que é preferível que dois profissionais conduzam o grupo de PE. Já no que diz respeito aos pacientes, instruem que é preferível humor eutímico e que os grupos sejam dispostos por subtipo de transtorno, além de agruparem pessoas com as mesmas idades para que a modelagem do comportamento seja mais acessível. O grupo deve ter caráter fechado, o que significa que depois que o grupo estiver iniciado nenhum novo membro poderá ser incluído. Quanto às sessões, afirmam que o ideal são grupos de 8 a 12 pessoas, em um total de 6 a 21 sessões de PE com 90 minutos de duração.

Os estudos encontrados que seguem o modelo do MPTB utilizaram em geral 21 sessões para a utilização da PE19,22. No entanto, apenas o estudo de Lahera et al.23 usou 8 sessões. Embora esse ajustamento possa ter visado principalmente à diminuição do tempo para a eficácia do uso da intervenção, os autores não conseguiram encontrar efeitos significativos de prevenção de episódios do transtorno. Dessa forma, possivelmente ao se basear no método proposto no MPTB, um número maior de sessões (21 sessões) seja necessário para alcançar os resultados esperados como em outros estudos19,22. De outro modo, o estudo Çuhadar e Çam21, que não segue o MPTB, se mostrou eficaz com o número de sete sessões, próximo ao número mínimo indicado pelo MPTB para reduzir o estigma internalizado nos pacientes com TB.

Em relação ao tempo da sessão de PE, o estudo de Solé et al.22 não especifica o tempo, por outro lado todos os outros usam 90 min como tempo padrão para todas as sessões19,21,23. O número de pessoas por grupo não é um fator marcado nos estudos. Entretanto, foi possível analisar que independente de seguir o MPTB, os estudos usam uma média de 14 pessoas por grupo, sendo considerado por Colom e Vieta25 um número ideal, visto que o índice de abandono é de 25% e por isso o grupo iniciaria com 10-11 pacientes.

Dos estudos encontrados, apenas o estudo de Çuhadar e Çam21 explicita os conteúdos trabalhados em cada sessão. Aborda temas mais específicos aos objetivos de reduzir o estigma nos pacientes. A segunda e a terceira sessão tratam sobre questões gerais do transtorno, como os sintomas depressivos e maníacos, causas do TB, frequência das crises, o efeito das substâncias psicoativas e os efeitos colaterais dos remédios. A partir da quarta sessão são fornecidas informações acerca do estigma internalizado. Na penúltima sessão são apresentadas informações para que os pacientes desenvolvam habilidades para enfrentar de maneira mais funcional o estigma. Para finalizar, na última sessão a intervenção é finalizada com o feedback dos pacientes.

Diante das hipóteses iniciais do presente estudo, destaca-se a escassez de diferentes modelos a respeito da PE com TB validados cuja eficácia seja avaliada. Substancialmente, dois modelos são usados para a população de pacientes com TB, com grande popularização do modelo de Colom e Vieta24, sendo identificado a partir desta revisão como o único que apresenta uma proposta estruturada e estudos de validação e eficácia por estudos posteriores.

Dentre os temas mais investigados nos estudos estão a avaliação da eficácia da PE para diversos fins, tais como redução do estigma internalizado, comparação a outras técnicas para a redução dos sintomas prodrômicos e dos sintomas depressivos. Entretanto, a PE se mostrou menos eficaz do que programas de Remediação Funcional, nos quais são exercitadas funções cognitivas para pacientes com TB19,22.

Vieta e Colom25 defendem que existe uma variedade de formatos de PE sendo estudados para pacientes com TB e seus familiares, assim como para grupos que contemplem os dois públicos, entretanto os resultados encontrados mostram uma escassez de estudos voltados apenas para pessoas com TB eutímicas. Não obstante, a PE se mantém nos guias de tratamento para esse transtorno do humor, visto que muitos estudos randomizados indicam que a PE pode prevenir ou reduzir as recorrências de episódios de humor, hospitalizações em pacientes medicados, manter e melhorar a aderência ao tratamento.


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Foi encontrado um importante modelo na literatura para a utilização da PE com pessoas com TB. O modelo de Colom e Vieta24 é fortemente citado e serve como base para os estudos encontrados. Por um lado, isso pode indicar que o modelo proposto tem apresentado bons resultados, no entanto isso também pode refletir na ausência de investimento em outros modelos de PE que visem tratar outras formas de educar as pessoas que vivem com esse transtorno. Sendo assim, se faz necessário que pesquisas futuras sejam realizadas a fim de estruturar novos modelos.

A partir do exposto, é possível concluir a ausência da diversidade de modelos de PE específicos para pessoas com TB, que pode impactar diretamente na qualidade e eficiência do tratamento. Destaca-se como limitação deste estudo a dificuldade do acesso ao MPTB, que contribuiria de forma mais detalhada, além da ausência de estudos no contexto brasileiro, assim como a dificuldade de encontrar estudos voltados apenas para pacientes com TB, uma vez que muitos estudos foram excluídos por incluírem comorbidades psiquiátricas aos participantes.


REFERÊNCIAS

1. Dalgalarrondo P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2008.

2. Lambert K, Kinsley CH. Neurociência clínica: as bases neurobiológicas da saúde mental. Porto Alegre: Artmed; 2006.

3. Sanches Marsal, Jorge Miguel Roberto. Transtorno afetivo bipolar: um enfoque transcultural. Rev Bras Psiquiatr [internet]. 2004;26 Suppl 3: 54-56. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S15164462004000700013&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462004000700013.

4. Association AP. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2014.

5. Stovall J. Bipolar disorder in adults: epidemiology and pathogenesis. In: UpToDate Post TW 2. Waltham: UpToDate; 2015. Avaliable from: http://www.uptodate.com/contents/bipolar-disorder-in-adults-epidemiology-and-pathogenesis.

6. Lotufo Neto F. Cognitive behavioral therapy for bipolar disorders. Rev Bras Psiquiatr. 2004;26:44-6.

7. Miasso AI, Cassiani SHDB, Pedrão LJ. Transtorno afetivo bipolar e terapêutica medicamentosa: identificando barreiras. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2008;16(4):739-745.

8. Moreno RA, Moreno DH, Ratzke R. Diagnóstico, tratamento e prevenção da mania e da hipomania no transtorno bipolar. Rev Psiquiatr Clín [internet]. 2005;32 Suppl. 1:39-48. Disponíel em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832005000700007&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832005000700007.

9. Hong J, Reed C, Novick D, Haro JM, Aguado J. Clinical and economic consequences of medication nonadherence in the treatment of patients with a manic/mixed episode of bipolar disorder: results from the European Mania in Bipolar Longitudinal Evaluation of Medication (EMBLEM) study. Psychiatry Research. 2011;190(1):110-114.

10. Colom F, Vieta E. Melhorando o desfecho do transtorno bipolar usando estratégias não farmacológicas: o papel da psicoeducação. Revista Brasileira de Psiquiatria. 2004;26 Supl III:47-50.

11. Gomes BC, Lafer B. Psicoterapia em grupo de pacientes com transtorno afetivo bipolar. Rev Psiquiatr Clín [internet]. 2007;34(2):84-89. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832007000200004&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832007000200004.

12. Machado-Vieira R, Santin A, Soares JC. O papel da equipe multidisciplinar no manejo do paciente bipolar. Rev Bras Psiquiatr [internet]. 2004;26 Suppl 3:51-53. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462004000700012&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462004000700012.

13. Justo L, Calil HM. Psychosocial interventions for bipolar disorder. Revista Psiquiatr Clín. 2004;31(2):91-99.

14. Knapp P, Isolan L. Psychoterapeutic approach in bipolar disorder. Rev Psiquiatr Clín. 2005;32 Suppl 1:98-104.

15. Andrade ACF. Abordagem psicoeducacional no tratamento do transtorno afetivo bipolar. Revista Psiquiatr Clín. 1999;26(6):1-8.

16. Bäuml J et al. Psychoeducation: a basic psychotherapeutic intervention for patients with schizophrenia and their families. Schizophrenia Bulletin. 2006;32(1):1-9. Doi: 10.1093/schbul/sbl017.

17. Bond K, Anderson IM. Psychoeducation for relapse prevention in bipolar disorder: a systematic review of efficacy in randomized controlled trials. Bipolar Disord. 2015;17(4):349-362. Doi: 10.1111/bdi.12287.

18. Miklowitz DJ, Simoneau TL, George EL, Richards JA, Kalbag A, Sachs-Ericsson N, Suddath R. Family-focused treatment of bipolar disorder: 1-year effects of a psychoeducational program in conjunction with pharmacotherapy. Biological Psychiatry. 2000;48(6):582-592.

19. Torrent C et al. Efficacy of functional remediation in bipolar disorder: a multicenter randomized controlled study. American Journal of Psychiatry. 2013 Aug;170(8):852-9. Doi: http://dx.doi.org/10.1176/appi.ajp.2012.12070971.

20. Colom F, Vieta E. Psychoeducation manual for bipolar disorder. Cambridge: Cambridge University Press; 2006.

21. Çuhadar D, Çam MO. Effectiveness of psychoeducation in reducing internalized stigmatization in patients with bipolar disorder. Archives of Psychiatric Nursing. 2014;28(1):62-66. Doi: 10.1016/j.apnu.2013.10.008.

22. Solé B, Bonnin CM, Mayoral M, Amann BL, Torres I, González-Pinto A, Reinares M. Functional remediation for patients with bipolar II disorder: improvement of functioning and subsyndromal symptoms. European Neuropsychopharmacology. 2015;25(2):257-264.

23. Lahera G, Bayón C, Bravo-Ortiz MF, Rodríguez-Vega B, Barbeito S, Sáenz M, de Dios C. Mindfulness-based cognitive therapy versus psychoeducational intervention in bipolar outpatients with sub-threshold depressive symptoms: a randomized controlled trial. BMC Psychiatry. 2014;14(1):1.

24. Colom F, Vieta E. Psychoeducation manual for bipolar disorder. Cambridge: Cambridge University Press; 2006.

25. Vieta E, Colom F. Bipolar disorder in adults: psychoeducation and other adjunctive maintenance psychotherapies. In: UpToDate Post TW 2. Waltham: UpToDate; 2016. Available from: http://www.uptodate.com/contents/bipolar-disorder-in-adults-psychoeducation-and-other-adjunctive-maintenance-psychotherapies.

26. Zschucke E, Gaudlitz K, Ströhle A. Exercise and physical activity in mental disorders: clinical and experimental evidence. Journal of Preventive Medicine and Public Health. 2013;46 Suppl 1: S12-S21.

27. Hoblyn JC, Balt SL, Woodard SA, Brooks III JO. Substance use disorders as risk factors for psychiatric hospitalization in bipolar disorder. Psychiatric Services. 2009.










1. Graduanda em Psicologia pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, Salvador, Bahia, Brasil
2. Mestre em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Psicólogo. Salvador, Bahia, Brasil

Instituição: Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Correspondência
Maria Emília Pereira Pimentel
Rua Santa Isabela, 100, 603A
40221-225 Salvador, BA, Brasil
mariaemiliapsic@gmail.com

Submetido em: 11/08/2016
Aceito em: 31/01/2017

 

artigo anterior voltar ao topo próximo artigo
     
artigo anterior voltar ao topo próximo artigo